1 de setembro de 2021

Nutrição equilibrada é essencial para o bom desempenho reprodutivo em vacas leiteiras, aponta especialista

A nutrição é a chave no funcionamento do organismo dos bovinos de leite e o seu equilíbrio – ou a falta dele – pode interferir em inúmeros processos, inclusive na reprodução. “A nutrição animal tem papel fundamental na reprodução de fêmeas leiteiras, tendo associação direta sobre o desempenho reprodutivo e fisiológico do animal. Além disso, é responsável pelo funcionamento das rotas metabólicas que permitem ao animal expressar todo o seu potencial produtivo e reprodutivo”, explica a zootecnista Anna Caroline Guedes, assistente técnica comercial da Auster Nutrição Animal.

Diversos fatores, como desequilíbrio nutricional em energia, gordura, proteínas, minerais e vitaminas, podem interferir na fertilidade do rebanho, relata a profissional da Auster. “São várias as consequências do manejo nutricional irregular , como: fêmeas submetidas à deficiência nutricional severa e prolongada estão sujeitas à ausência do período de cio; fêmeas em estágio de obesidade podem provocar baixo desenvolvimento dos folículos ovarianos, partos distorcidos e aumento das taxas de concepção; o uso de minerais (como fósforo) podem retardar a puberdade em fêmeas com deficiência acentuada e causar repetição de cio; animais com deficiência em iodo podem causar hipotireoidismo e consequente redução da atividade ovariana; deficiência de minerais (como cálcio) podem desencadear hipocalcemia e partos distorcidos – carência de selênio ocasiona retenção de placenta e de zinco provoca distúrbios na manifestação do cio”, explica Anna Caroline Guedes.

Entretanto, a especialista destaca que não apenas o equilíbrio nutricional interfere na reprodução de vacas leiteiras. “A eficiência reprodutiva desses animais pode, também, ser afetada por fatores externos como sanidade, clima e conforto animal, podendo reduzir a fertilidade do rebanho. Vários estudos indicam que deficiência alimentar e superalimentação associados ao escore de condição corporal, doenças reprodutivas relacionadas à sanidade, doenças metabólicas, idade elevada ao primeiro parto, longos intervalos de partos e estresse calórico são fatores predisponentes a baixas taxas reprodutivas”, completa.

Para proteger as fêmeas leiteiras, os produtores devem oferecer dieta balanceada e de qualidade em todas as fases do ciclo de lactação, incluindo dieta balanceada e específica para cada lote de vacas. Além disso, é preciso avaliar o consumo de matéria seca, água, energia, proteína e forragem durante o período de pré-parto e pós-parto, fornecer dieta aniônica para animais em período de transição, observar o escore de condição corporal e ajustar se necessário o fornecimento de energia da dieta e minimizar ao máximo as condições de estresse.

Já no período gestacional, Anna Caroline Guedes recomenda fornecimento de dieta específica no período seco, atendendo às exigências nutricionais de mantença, crescimento fetal e reposição de reservas corporais. “No pré-parto, fornecer dieta aniônica, fazendo adaptação duas semanas antes da parição, observar a condição corporal e ajustar os níveis de energia e proteínas se necessário. Já no pós-parto, é importante fornecer dieta catiônica. Os volumosos devem ser de boa qualidade e fornecidos frescos”.

Para fornecer o equilíbrio nutricional adequado para a reprodução de vacas leiteiras, a Auster Nutrição Animal oferece a linha Númia Pré-parto que disponibiliza ao animal nutrientes suficientes para um correto balanço cátion-aniônico. Temos também a linha Prius, uma gordura de terceira geração com grau food que aumentam a densidade energética da dieta e proporcionam melhorias nos índices reprodutivos. Além disso, o portfólio da Auster conta com Drench Up, suplemento nutricional para recuperação no pós-parto, que estimula o funcionamento ruminal, restabelece o equilíbrio eletrolítico, reposiciona os órgãos após a saída da cria e proporciona eficaz fonte de energia às vacas. A empresa oferece, também, o programa Gerenciamento 360°, que analisa os animais sob todos os ângulos: manejo, ambiente, nutrição, sanidade e fertilidade. Mais informações: www.austernutri.com.br