22 de junho de 2022

Manejo e nutrição eficientes ajudam a prevenir o impacto de doenças relacionadas ao período de transição das vacas leiteiras

Fase crítica para as fêmeas é marcada por perdas energéticas e suscetibilidade a enfermidades.

O período de transição, que se caracteriza como três semanas antes e após o parto, é um dos mais críticos do ciclo de vida das vacas leiteiras. É quando ocorrem importantes e diversas mudanças fisiológicas e metabólicas nos animais e, também, o momento em que há maior risco de enfermidades. “Em respostas às mudanças físicas no corpo das vacas, mudanças metabólicas, produção de colostro e alterações hormonais e comportamentais, devemos ter um manejo estratégico neste período, principalmente 30 dias antes e após o parto. Neste período a ingestão pode ficar comprometida, com redução de até 30% no consumo de matéria seca. Todas essas mudanças são um desafio ao sistema imunológico, abrindo as portas para enfermidades, como a hipocalcemia, metrite, retenção de placenta e demais problemas decorrentes de um mal manejo de transição”, explica Rafael Cardenas, zootecnista da Auster Nutrição Animal. 

O cálcio é o mineral fundamental no momento do parto e no crescimento da bezerra. Baixos níveis de cálcio são caracterizados como hipocalcemia. Na fase clínica, os sinais podem ser observados visivelmente, como tremores musculares, orelhas caídas e prostração de lado, sendo esse o sintoma mais comum, conhecida como “febre do leite”, os primeiros sinais da doença podem aparecer em até 72 horas em relação ao parto. “O tratamento pode ser feito com suplementação imediata de cálcio na corrente sanguínea auxiliando o animal a levantar e retomar o consumo o mais rápido possível. Mas é a forma subclínica que causa os maiores prejuízos econômicos ao criador, porque há redução da produção de leite e queda do consumo de matéria seca no pós-parto, e muitas vezes é difícil sua identificação visivelmente. Pesquisas apontam que essa forma é responsável por tornar os animais mais vulneráveis a outras doenças graves, como metrite e síndrome da vaca caída”, explica o zootecnista da Auster.

É comum a utilização de fontes aniônicas no período pré-parto, principalmente em multíparas, preparando o metabolismo do animal e disponibilizando o cálcio, diminuindo o aparecimento de casos de hipocalcemia, retenção de placenta e metrite no pós-parto imediato.

Boas práticas de manejo aliadas à dieta adequada logo nos 60 dias que antecedem o parto fazem toda a diferença na prevenção dessas enfermidades. De acordo com Rafael Cardenas, o controle de peso do animal, principalmente durante a lactação e o período seco, é fundamental. “É preciso garantir que a vaca não perca peso nos últimos 30 dias e chegue ao parto com escore ideal (2,75 a 3,25). O produtor deve adequar a dieta para cada fase. A utilização de aditivos no período pré-parto, por exemplo, é bem-vinda, pois fortalece a imunidade do animal, evitando esses problemas. O foco é a saúde das vacas e a resposta, consequentemente, é o aumento de produtividade”, orienta o especialista.

A Auster Nutrição Animal oferece soluções nutricionais que facilitam o manejo das vacas durante o período de transição. Prius Nat Dry, suplemento energético de origem vegetal, atua como melhorador de consumo e suporte energético nas dietas, principalmente pela sua elevada densidade sem comprometer o consumo, que é um desafio principalmente nestas fases. Além disso, a linha Númia conta com núcleos minerais e vitamínicos ideais para o pré e pós-parto. 

“Com a dieta equilibrada, as vacas conseguem manter o consumo diário dos nutrientes necessários, reduzindo os impactos causados pelo período de transição, promovendo o melhor desempenho produtivo. É isso o que a linha da Auster oferece: tecnologia para ajudar os criadores a proteger o seu bem mais precioso contra enfermidades”, finaliza o zootecnista.