Pedidos e Informações : 0800 725 1060
Telefone: 19 3865.9599
Bem-vindo. Ainda não é cadastrado? Cadastre-se

Efeito da Utilização de Butirato de Sódio na Digestibilidade, Atividade Fermentativa e Morfologia Intestinal de Leitões Desmamados

21/10/2014 14:50:30

Autor: Inês Serejo Pina Antunes Tonel

Trinta e seis leitões com 21 dias de idade foram utilizados para testar o efeito de duas fontes de butirato de sódio na digestibilidade, desenvolvimento do tubo digestivo, fermentação intestinal e morfologia da mucosa intestinal. Os leitões foram distribuídos por 3 regimes: RB (controlo), A- RB + 0,5% butirato A, B- RB + 0,25% butirato B. As duas formas de butirato A e B possuem 54% e 98% de ácido butírico respectivamente. Verificou-se uma tendência para redução da consistência fecal com o butirato B. A digestibilidade fecal aparente da PB foi de 0,772; 0,790 e 0,838 para os regimes RB, A e B, respectivamente (P <0,05). O peso do baço e do intestino delgado e grosso vazio foi reduzido com o butirato em especial com o butirato B. O teor de MS (%) dos conteúdos ileais foi de 6,67; 5,33 e 5,10, para os regimes RB, A e B, respectivamente (P <0,05). No ceco a atividade da xilanase e da pectinase foi reduzida com o butirato de sódio. A altura das vilosidades ileais (μm) foi 295; 312 e 280 para os regimes RB, A e B, respectivamente (P <0,10). O regime B aumentou a largura das vilosidades no jejuno.


Resumo estendido: 

O período após desmame é um dos estágios mais críticos da produção na maioria dos sistemas produtivos. Esse período é caracterizado pelo baixo consumo de ração, resultando em uma decréscimo no ganho médio diário, e contribui fortemente ao aparecimento de doenças gastrointestinais (Barnett et al., 1989). Esses problemas foram neutralizados com o uso generalizado de antibióticos, que levou ao desenvolvimento de resistência pelos patógenos intestinais. Essas preocupações culminaram no banimento do uso da maioria dos antibióticos usados como promotores de crescimento. Como consequência, há uma crescente necessidade de encontrar alternativas para modular a microflora e controlar a fermentação intestinal. Dentro das alternativas estão os SCFA que Among the alternatives are SCFA que desempenham um papel como fonte de energia, sendo o ácido butírico o mais prontamente oxidável a CO2 entre todos os outros SCFA no intestino. O ácido Butírico também mostrou induzir a diferenciação celular e a regulação do crescimento e proliferação da mucosa colônica e ileal normal (Treem et al., 1994). Para entender melhor o efeito do butirato quando fornecidos à leitões desmamados, nós investigamos no presente estudo como duas fontes de butirato afetam a performance de crescimento, desenvolvimento do trato digestório, digestibilidade, fermentação intestinal e morfologia da mucosa intestinal. Trinta e seis leitões com 21 dias de idade, foram submetidos a 3 diferentes dietas. Dieta RB foi o regime controle, dieta A foi suplementado com 0,50% de uma fonte de butirato que contém sódio, potássio e sal cálcico de ácido butírico (contendo 54% de ácido butírico), e dieta B contendo 0,25% de outra fonte de butirato contendo sal sódico de ácido butírico (contendo 98% de ácido butírico). O efeito das fontes de butirato na performance do crescimento não foi significativo. A inclusão de ambas as fontes de butirato na dieta de leitões reduziu significativamente o peso vazio do intestino delgado e grosso (g/kg). Dieta RB comparada à dieta A reduziu o peso vazio do estômago  e vesícula biliar (g/kg). O peso do baço e intestinos delgado e grosso vazios foi reduzido com butirato, em particular o B. A consistência fecal para dietas RB, A e B foram respectivamente 0,742, 0,689 e 0,447 (P<0.05). A Digestibilidade Aparente (TTAD) da Matéria Seca foi 0,816, 0,814 e 0,867 para dietas RB, A e B, respectivamente (P <0.10). A Disgestibilidade Aparente (TTAD) da Proteína Bruta foi 0,772, 0,790 e 0,838 para dietas RB, A e B, respectivamente (P <0.05). A Digestibilidade Aparente (TTAD) da FDA foi 0,007, 0,068 e 0,290 para dietas RB, A e B, respectivamente (P <0.05). A digestibilidade da MS do conteúdo ileal foi 6,67, 5,33 e 5,10 % para dietas RB, A e B, respectivamente (P <0.05). Nenhuma das fontes de butirato tiveram efeito significativo sobre o nível de MS do conteúdo colônico e cecal e valores de pH do estômago, íleo, ceco ou conteúdo do cólon. A atividade de xilanase do ceco (mg / ml) foi 274,1, 208,1 e 218,0 para as dietas RB, A e B, respectivamente (P <0.05) e pectinase foi 344,1, 261,8 e 237,0 para dietas RB, A e B, respectivamente (P <0.05). A inclusão de qualquer das fontes de butirato na dieta de leitões não teve efeito significativo na SCFA ileal mas reduziu significativamente o nível de SCFA total no ceco e cólon.  A altura das vilosidades ileais foram 295, 312 e 280 μm para dietas RB, A e B, respectivamente (P <0.10). A dieta B, aumentou a largura das vilosidades no jejuno. Não houveram efeitos significativos na profundidade de cripta da mucosa no duodeno, jejuno ou íleo. Concluindo, a inclusão de butirato de sódio na dieta de leitões promoveu a redução de peso do intestino sem afetar a vilosidade intestinal. Esse efeito foi  Esse efeito foi mais notório no regime suplementado com butirato de sódio B. <Para artigo completo, verificar anexo>


Link para perfil do autor

Arquivo Anexo